Agronegócio sustenta PIB do Estado, que cresce 4,9% e atinge R$ 96,3 bi

Agronegócio sustenta PIB do Estado, que cresce 4,9% e atinge R$ 96,3 bi

Máquinas trabalham na colheita em Mato Grosso do Sul, onde o PIB cresceu, impulsionado pela produção rural. (Foto: Arquivo)

Mato Grosso do Sul registrou a sexta maior taxa de aumento do PIB entre os estados em 2017

Puxada pelo agronegócio, a economia de Mato Grosso do Sul avançou 4,9% em 2017 e fechou com Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 96,3 bilhões. Os dados foram divulgados oficialmente hoje pela Semagro (Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), com base nas informações do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O resultado coloca o Estado na 6ª posição no ranking nacional de crescimento do PIB entre as Unidades da Federação e a segunda no Centro-Oeste. O PIB per capita ficou em R$ 35.520,45 sendo o oitavo maior valor per capita entre os demais estados.

“Consideramos o resultado excelente”, comemorou o secretário de Produção, Jaime Verruck que atribui os números positivos à política de desenvolvimento econômico implantada pelo Governo do Estado na gestão do governador Reinaldo Azambuja. O setor que mais contribuiu para esse aumento foi o da agropecuária, com 25% de participação no índice geral. “Na produção de grãos, como milho e soja, fomentamos o investimento em modernização e ciência e tecnologia, gerando aumento de produtividade e maior valor agregado. Tivemos uma produção de 13 milhões de toneladas neste ano. As contas do PIB também mostram avanço expressivo na suinocultura e avicultura, com ampliação de granjas para atender as indústrias do setor; na piscicultura, com o avanço da tilápia e no setor de florestas, em função da instalação de mais uma linha de produção de celulose, em agosto de 2017”, comenta o secretário.

O coordenador de Economia e Estatística da Semagro, Eliandres Saldanha explica que o Produto Interno Bruto representa a quantificação em valores da produção de bens e serviços em um espaço temporal, fruto do desempenho das atividades econômicas por meio da utilização de recursos produtivos disponíveis. “O cálculo do PIB tem o objetivo de avaliar as taxas de crescimento global e setorial da economia, apresentar a composição das principais contas de produção na formação de riqueza, mostrar o PIB per capita resultante no período considerado e os agregados macroeconômicos por setores de atividades”, explica.

Segundo ele, “os resultados mostram que a participação dos setores econômicos na composição do PIB/MS em 2017 está assim distribuída, o Setor Terciário que é constituído pelas atividades do Comércio e Serviços, mantém-se com a maior contribuição, representando 60,33% no valor adicionado da economia, seguido pelo setor secundário onde estão as atividades industriais pesando 22,10%, já atividade agropecuária apresentou uma contribuição de 17,60% na formação do valor adicionado pela economia estadual naquele ano, tendo reduzindo sua contribuição no PIB Sul-mato-grossense que foi de 19,6% no ano de 2016 em função da redução de preços observado principalmente nas culturas do milho e soja”.

Setores

O desempenho de 4,9% alcançado pelo PIB/MS em 2017 é fruto do bom resultado obtido pela agricultura estadual, com pequena contribuição da indústria, já o setor terciário com baixo desempenho mostrou tendência de lenta recuperação evoluindo do nível de queda obtido nos dois anos anteriores como mostra o quadro acima,
No período de 2012 a 2017 o PIB estadual obteve uma evolução média de 2,9% ao ano, com resultados negativos nos anos de 2015 e 2016, a maior contribuição vem do setor primário com crescimento médio de 9,2% na agropecuária, o setor secundário apresentou segunda melhor contribuição crescendo a uma taxa média de 1,7%, a maior dificuldade vem sendo apresentado pelo setor terciário que é formado pelas atividades de comércio e serviços que obteve uma taxa média de 1,4%.

Fonte: CGNews

Compartilhe

Write a Comment

view all comments