Criança atropelada em Rio Verde recebe alta após ficar quase um mês internada

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Depois de 24 dias internada na Santa Casa, a bebê de 2 meses, que foi ferida em acidente causado de propósito pelo ex-marido da mãe, recebeu alta. “Gratidão a Deus. Ela é um verdadeiro milagre”, disse Laudicéia Gonçalves Dias, de 36 anos, ao ser indagada sobre o sentimento de estar em casa com a filha depois de tanta angústia. Na ocasião, o pai da menina, Wagner da Silva de Assis, de 30 anos, morreu atropelado.

Em estado grave, a criança deu entrada no dia 13 do mês passado, às 22h56, no mesmo dia em que ocorreu o acidente, com politraumatismo e TCE (Traumatismo Craniano Encefálico) grave. Ela passou por vários dias respirando com ajuda de cateter na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e foi se recuperando aos poucos.

A  bebê recebeu alta médica na última sexta-feira (7) e será acompanhada por um neurologista. O responsável pelo crime, Ângelo Maria Félix, 51 anos, o ex-marido de Laudicéia, foi preso dias depois após o crime.

O crime

Na tarde do dia 13 de abril, Laudicéia e Wagner, que levava a filha no carrinho, seguia pela Rua Rio Grande do Sul, no Bairro Nova Rio Verde, quando Ângelo avistou ambos caminhando e acelerou o veículo, um Fiat uno, de cor vinho, em direção aos três. Wagner sofreu ferimentos graves e foi socorrido pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) ao hospital da cidade, mas não resistiu e morreu.

Com o impacto da batida, a bebê foi arremessada do carrinho e rolou pelo asfalto. Ela teve traumatismo craniano e devido aos ferimentos foi transferida para Campo Grande. Laudiceia ficou em estado de choque, recebeu atendimento médico e passou por uma psicóloga. À polícia, testemunhas e familiares disseram que o autor não aceitava o fim do relacionamento.

Ele se entregou dias depois após o crime e alegou que teve um “branco” no momento em que atropelou Wagner. Se dizendo arrependido, ele não quis informar o local em que se escondeu durante os últimos dias. De acordo com o delegado que investigou o caso, Gabriel Cardoso, o homem relatou que não havia visto o bebê, muito menos o carrinho.

Ângelo reponde por tentativa de feminicídio, tentativa de homicídio com aumento de pena em razão da idade da criança, homicídio doloso qualificado pelo motivo torpe e posse irregular de arma de fogo.

 

CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Notícias semelhantes