Falso Frete: Caminhoneiro é sequestrado por 14 horas em Campo Grande

Foto: Ilustrativa

Motorista ficou preso enquanto veículo foi levado ao Paraguai rodando só a 40 km/h

As investigações do roubo que deixou um caminhoneiro sequestrado por 14 horas na última quinta-feira (25) terminaram com a prisão de um rapaz de 21 anos. Ele foi um dos responsáveis por manter a vítima, de 34 anos, em cativeiro e a partir daí foi constatado que o crime foi encomendado do presídio.

Conforme a Defurv (Delegacia Especializada de Repressão a Furto e Roubo de Veículos), com as investigações o rapaz de 21 anos foi identificado. Ele foi preso na casa onde estava com a namorada de 17 anos e a sogra. Assim, a adolescente acabou contando como aconteceu o crime, apesar do namorado permanecer em silêncio no depoimento.

A princípio, a quadrilha foi contratada por um interno do presídio. O rapaz de 21 anos que foi preso já usa tornozeleira eletrônica e naquele dia saiu com o carro da sogra, que usou no sequestro. Ele foi um dos responsáveis também por manter a vítima no cativeiro, em uma casa em Campo Grande.

O caso do falso frete

Um caminhoneiro de 34 anos acabou sendo vítima do falso frete, em Campo Grande, nesta quinta-feira (25). Ele ficou em poder dos bandidos por aproximadamente 14 horas. O caminhão e dinheiro foram levados pelos ladrões.

A vítima contou que chegou na cidade na quarta-feira (24) e descarregou numa carga para uma empresa e depois entrou em um grupo de WhatsApp para procurar um novo frete, sendo que um homem identificado como Valter contratou os serviços dele marcando para a quinta-feira (25) o carregamento da carga, no Núcleo Industrial.

Na manhã seguinte, o homem procurou o caminhoneiro e seguiram para o Núcleo Industrial, senso que o bandido fez a vítima entrar em uma estrada rural quando anunciou o assalto, mandando que o caminhoneiro deitasse no assoalho de um veículo Volkswagen Fox.

Fonte: Midiamax

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias semelhantes