Gasolina estaria 19% mais cara com privatização de refinarias da Petrobras, diz levantamento

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Levantamento realizado pelo Observatório Social da Petrobras, ligado a sindicatos de petroleiros, aponta que se as refinarias que fazem parte do plano de desestatização da Petrobras já tivessem sido privatizadas, estariam hoje vendendo a gasolina por um preço, em média, 19% mais caro do que o cobrado sob gestão da estatal. O diesel S-10, por sua vez, custaria 12% acima do valor atual.

O cálculo foi feito com base nos valores cobrados pela refinaria de Mataripe, na Bahia, antes e depois de sua privatização, em dezembro de 2021.

“Para chegar a esses números, levamos em conta o comportamento passado -antes da privatização- dos preços cobrados pelas refinarias em relação à Rlam [refinaria de Mataripe] e colocamos todos os valores em função do que é efetivamente cobrado pela Acelen, gestora da refinaria de Mataripe, desde 1º de janeiro de 2022”, afirma o economista Eric Gil Dantas, do OSP e do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (Ibeps).

Segundo ele, a simulação teve como premissa que as empresas compradoras das refinarias se comportariam tal como a Acelen na definição de preços.

“Essa simulação mostra que o efeito imediato da privatização da Petrobrás é a subida geral de preços e não a diminuição, como o atual ministro de Minas e Energia [Adolfo Sachsida] quer fazer crer com sua declaração”, conclui o economista.

A projeção mostra que a diferença média do preço da gasolina e do diesel ao longo deste ano, entre janeiro e maio, seria de 7% e 12%, respectivamente. E mostra ainda que a refinaria Isaac Sabbá (Reman), em Manaus (AM), se já fosse privada, cobraria 65 centavos a mais pela gasolina e 86 centavos mais caro pelo diesel. A Reman comercializa hoje a gasolina por R$ 3,79 e o diesel a R$ 4,88 o litro.

A venda da refinaria de Manaus para o grupo Atem foi aprovada nesta quinta-feira (12) pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Segundo a estimativa, a Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim (MG), teria a maior alta entre as refinarias privatizadas, passando a cobrar R$ 4,86 pela gasolina, ao invés dos atuais R$ 3,94, e R$ 6,25 pelo diesel, no lugar dos R$ 5,04 de hoje – um aumento de R$ 0,92 e R$ 1,22, respectivamente.

O menor valor da gasolina seria encontrado na Refinaria Potiguar Clara Camarão (RPCC), em Guamaré (RN), com o litro negociado a R$ 4,37, ou seja, 61 centavos a mais do que o preço atual. Já a Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Ipojuca (PE), teria o menor aumento no diesel por efeito da privatização dentre as refinarias, subindo 80 centavos no preço – de R$ 4,80 para R$ 5,60.

 

Fonte: Correio do Estado

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Notícias semelhantes