Saúde distribuirá preservativos e contraceptivos em campanha de prevenção pré-carnaval

A campanha visa a prevenção às doenças e infecções sexualmente transmissíveis no período que antecede o feriado do Carnaval

Entre os dias 10 e 21 de fevereiro, a Secretaria Municipal de Saúde de São Gabriel do Oeste estará reforçando a distribuição de preservativos e contraceptivos em todas as unidades de saúde da cidade. A campanha visa a prevenção às doenças e infecções sexualmente transmissíveis no período que antecede o feriado do Carnaval.

Para que haja maior conscientização e prevenção por parte dos são-gabrielenses, a Saúde promoverá diversas outras ações ainda durante o mês de fevereiro, entre elas, a realização dos testes rápidos para HIV, Sífilis, Hepatites B e C, para quem teve relação sexual sem o uso de preservativos e a distribuição de panfletos e material informativo sobre as principais infecções transmitidas através do ato sexual.

De acordo com a coordenadora de Programas de Saúde do município, Juciléia Magalhães, os números de casos de sífilis na cidade vem aumentando, principalmente pela falta do uso do preservativo. “Nesta época do ano é comum haver uma maior incidência de algumas doenças, pois há um descuido com a saúde. Nossa meta com a essa ação é diminuir a vulnerabilidade e a exposição das pessoas as ISTs, como a sífilis, que tem um número significativo de casos no município”, disse.

“Durante todo o ano as unidades de saúde distribuem preservativos, tanto feminino, quanto masculino e também os contraceptivos orais e injetáveis. Agora estamos reforçando essa distribuição e a divulgação dos serviços que temos disponíveis, da testagem rápida ao tratamento das infecções sexualmente transmissíveis”, comentou Juciléia. A Saúde ainda prevê uma Blitz Educativa que deve acontecer nos próximos dias.

Assessoria de Comunicação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias semelhantes

Fiocruz aponta alta em casos de gripe em MS

Dos 27 estados brasileiros, apenas 10 apresentaram tendência de crescimento a longo prazo de SRAG (Síndromes Respiratórias Agudas Graves), segundo dados da Fiocruz (Fundação Oswaldo