Senador encontrado com dinheiro na cueca amplia a licença e filho vai assumir a vaga

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado - Senador Chico Rodrigues pede afastamento do cargo por 121 dias

 Com licença de 121 dias, suplente do parlamentar, que é filho dele, será convocado

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu nesta terça-feira (20) os efeitos da decisão que determinou o afastamento do senador Chico Rodrigues (DEM-RR) do mandato. A decisão foi tomada após Chico Rodrigues ter se licenciado por 121 dias.

Chico Rodrigues foi flagrado na semana passada pela Polícia Federal com R$ 33 mil na cueca, e o plenário do STF julgaria o afastamento do parlamentar nesta quarta-feira.
No entanto, após o senador se licenciar, Barroso entendeu que “não mais se torna necessária a submissão imediata da matéria ao plenário”. Assim, atendendo a um pedido do ministro, o presidente do STF, Luiz Fux, retirou o caso da pauta de julgamentos desta quarta.

O suplente de Chico Rodrigues, Pedro Arthur Rodrigues, que é filho do parlamentar, deve ser convocado a assumir o mandato.

 

Pedro Rodrigues é suplente do pai, Chico Rodrigues, no Senado – Foto:  Reprodução / Facebook

 

Os R$ 33 mil foram encontrados na cueca de Chico Rodrigues durante uma operação que cumpriu mandados de busca e apreensão na casa do parlamentar. O DEM, partido ao qual Chico Rodrigues é filiado, pediu ao STF para acessar as investigações.

A operação apura suposto esquema de desvio de recursos públicos em Roraima. Rodrigues nega as acusações e afirma que o dinheiro serviria para pagar funcionários.

Ao decidir pelo afastamento de Rodrigues, Barroso transcreveu parte do relatório da Polícia Federal sobre a operação da semana passada. O texto descreve a apreensão de dinheiro na casa do senador, em Boa Vista (RR), e a tentativa de esconder dinheiro nas roupas íntimas.

“Efetuamos a busca no cofre situado no quarto do Sr. Pedro Rodrigues, filho do Senador, no qual não foram encontrados valores ou documentos relacionados aos fatos sob investigação. Contudo, nesse momento, o Senador Chico Rodrigues indagou ao Delegado Wedson se poderia ir ao banheiro. O Delegado Wedson respondeu que sim, mas informou que o acompanharia”, diz o relatório da PF.

“Nesta hora, o Delegado Wedson percebeu que havia um grande volume, em formato retangular, na parte traseira das vestes do Senador Chico Rodrigues, que utilizava um short azul (tipo pijama) e uma camisa amarela. Considerando o volume e seu formato, o Delegado Wedson suspeitou estar o Senador escondendo valores ou mesmo algum aparelho celular”, prossegue o documento.

O relatório diz ainda que, ao ser perguntado sobre o “volume”, Chico Rodrigues negou irregularidade. O delegado que comandava a busca e apreensão decidiu, então, fazer uma busca pessoal no senador. A ação foi filmada, mas o vídeo foi mantido em sigilo.

Fonte: Globo.com

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias semelhantes